02 janeiro 2011

“Se alguém lhe dá um presente, e você não o aceita, com quem fica esse presente?”.


Há uma história sobre Buda que ilustra um importante princípio. Buda estava debaixo da árvore do esclarecimento quando alguém que tinha ouvido falar que Buda era uma pessoa iluminada, veio para testar o seu autocontrole. Ele ficou em frente a Buda e começou a xingá-lo, chamando-o de todos os nomes possíveis, e não houve nenhuma reação por parte dele.

Algum tempo depois essa pessoa cansou-se e foi embora, descansou um pouco, voltou e começou novamente. Ele abusou da família de Buda e proferiu todo insulto que pôde pensar, mas ainda assim não houve nenhuma reação. Ele ficou bem cansado e então perguntou a Buda, “Eu estou o difamando de todas as maneiras que eu posso pensar, e ainda assim você não diz nada?”. Buda olhou para ele e disse, “Se alguém lhe dá um presente, e você não o aceita, com quem fica esse presente?”.

Isso realça uma perspicácia crucial. Nós temos uma escolha. Se levamos tristeza de alguém, nós não podemos culpar a outra pessoa e dizer, “É sua culpa, você falou assim comigo”. Reconhecemos que temos uma escolha em cada momento. Podemos usar nosso intelecto como um filtro e decidir o que vamos permitir entrar, e o que vamos impedir que entre em nós e nos afete.

Retirado do texto "Administrando a raiva" de Yogesh Sharda.